Lâmpada de Fenda: para que serve e como utilizar?

A lâmpada de fenda, ou biomicroscópio, é um dos aparelhos mais completos e fundamentais para se obter quando se está equipando um consultório oftalmológico. Fazendo um paralelo algo jocoso, porém bastante útil neste contexto, este equipamento é como aquelas estações de musculação onde se trabalha a musculatura dorsal, peitoral, membros inferiores, ombro, etc. Ou seja, é um verdadeiro dispositivo “multi-uso”, afinal, com ele o médico consegue avaliar com minúcias a superfície ocular e seus anexos (conjuntiva, córnea, pálpebras, cílios, filme lacrimal), estruturas mais internas do segmento anterior (humor aquoso, íris, pupila, cristalino), assim como o segmento posterior (humor vítreo, retina e nervo óptico). Além disso, na lâmpada de fenda é possível aferir a pressão intraocular (PIO) do paciente, fazer exames complementares como gonioscopia, e realizar pequenos procedimentos como retirada de corpo estranho, de ponto cirúrgico, dentre outros. Neste artigo, discutiremos de que é composta a lâmpada de fenda, e como utilizá-la da melhor maneira possível.

Composição da lâmpada de fenda

Sem saber do que se trata uma lâmpada de fenda, você até pode aprender a utilizar suas funções básicas pela experiência de manuseio. No entanto, nosso intuito com este texto é fazer nossos leitores dominarem as múltiplas funções desse aparelho, e fazerem o melhor uso possível deste que é, como já exposto, um dos instrumentos mais importantes para um exame oftalmológico completo. Afinal, o que é a lâmpada de fenda?

A lâmpada de fenda nada mais é do que um aparelho composto por três sistemas ópticos independentes: um de iluminação, um de magnificação e um mecânico, de focalização (Figura 1). O primeiro, de iluminação, consiste em uma fonte de luz – lâmpada incandescente convencional, composta por filamento de tungstênio e mistura de gases inertes, ou lâmpada halógena –, associada a lentes condensadoras e diferentes filtros que possibilitam a passagem de comprimentos de onda específicos, ou que reduzem a intensidade da luz transmitida (ex: filtro aneritra ou red-free, filtro de cobalto, e filtro de luz e de calor). Há ainda um diafragma regulável que permite ao examinador optar desde uma luz difusa até feixes luminosos em formato de fenda (o que dá o nome ao aparelho), com diferentes comprimentos e espessuras. A inclinação do sistema também é variável, e é possível ainda rotacionar a fenda, colocando-a em sentido vertical, horizontal ou oblíquo, o que é útil tanto para se realizar medições diversas, como para se visualizar estruturas anatômicas específicas com o auxílio de lentes acessórias (ex.: seio camerular e periferia retiniana). No sistema de iluminação, encontramos também dois espelhos, um longo em formato de raquete – mais utilizado, principalmente na avaliação do segmento anterior do globo ocular –, e um curto em formato triangular, utilizado para visualização do segmento posterior mediante angulação ≤ 10∞ entre o sistema de iluminação e o microscópio. A função dos espelhos é basicamente direcionar o feixe luminoso oriundo da fonte de luz para o objeto estudado (Figura 2).


Figura 1. Sistemas que compõem a lâmpada de fenda. (A) Sistema de iluminação; (B) Sistema de magnificação; (C) Sistema de focalização

Figura 2. Sistema de iluminação. (A) Haste do comando de filtros. Na figura, encontra-se posicionado no filtro de luz azul de cobalto; (B) Haste para controle da rotação e altura da fenda; (C) Espelho para direcionamento do feixe luminoso; (D) Parafuso centralizador para acoplar/desacoplar os sistemas de iluminação e magnificação; (E) Dispositivo para controle da largura da fenda, com escala de valores; (F) Trava para inclinação do sistema de iluminação; (G) Ponteira do tonômetro de aplanação de Goldmann, acoplado à lâmpada de fenda.

O sistema microscópico ou de magnificação possibilita visão estereoscópica binocular através de lentes magnificadoras oculares (com aumento fixo de 10x) e objetivas (com aumentos variados: 6x, 10x, 16x, 25x e 40x). Além disso, um sistema interno de primas permite reduzir a distância entre as lentes oculares e a objetiva (Figura 3).


Figura 3. Sistema de magnificação. (A) Dispositivo para ajuste da distância interpupilar do examinador; (B) Dispositivo para alteração do aumento da lente objetiva (6x, 10x, 16x, 25x ou 40x); (C) Lentes oculares (com aumento fixo de 12,5x); (D) dispositivo para ajuste da dioptria da lente ocular, de acordo com a dioptria do examinador.

Ao manusearmos o parafuso centralizador do sistema de iluminação, é possível acoplar ou desacoplar os dois sistemas referidos acima. Esta manobra faz-se necessária quando queremos obter tipos de iluminação específicos, principalmente as indiretas (campo negro, campo amarelo, reflexo vermelho, etc.). Desacoplar o sistema de iluminação do microscópico nada mais é do que realizar uma leve angulação horizontal no primeiro, fazendo com que eles não fiquem mais no mesmo eixo de observação; ao contrário, os raios de luz passam a ficar quase paralelos em relação eixo de observação pelo sistema de magnificação. 

Finalmente, o sistema de focalização dá suporte aos demais sistemas, possibilitando visualização otimizada a partir do controle do foco. Este sistema é composto basicamente pela base (ajuste grosseiro), pelo joystick (ajuste fino), pela trava da base e pela cremalheira.

Figura 4. Sistema de focalização. (A) Cremalheira; (B) Trava da base; (C) Joystick; (D) Dispositivo para controle da intensidade do feixe luminoso; (E) Base.

Como utilizar a lâmpada de fenda

Ao manusearmos o parafuso centralizador do sistema de iluminação, é possível acoplar ou desacoplar os dois sistemas referidos acima. Esta manobra faz-se necessária quando queremos obter tipos de iluminação específicos, principalmente as indiretas (campo negro, campo amarelo, reflexo vermelho, etc.). Desacoplar o sistema de iluminação do microscópico nada mais é do que realizar uma leve angulação horizontal no primeiro, fazendo com que eles não fiquem mais no mesmo eixo de observação; ao contrário, os raios de luz passam a ficar quase paralelos em relação eixo de observação pelo sistema de magnificação.

 Finalmente, o sistema de focalização dá suporte aos demais sistemas, possibilitando visualização otimizada a partir do controle do foco. Este sistema é composto basicamente pela base (ajuste grosseiro), pelo joystick (ajuste fino), pela trava da base e pela cremalheira.

A lâmpada de fenda é geralmente posicionada em mesa apropriada, sendo a elétrica mais prática por permitir regulagem direta da altura de todo o sistema. De fato, o primeiro passo para o exame biomicroscópico é o posicionamento do paciente – e do médico –, de modo que ambas as partes estejam confortáveis. O conforto do paciente interfere diretamente em sua colaboração ao exame, e a ergonomia do médico predirá se ele “sobreviverá” ao final de um longo dia de atendimentos. A cadeira mocho, com altura ajustável por alavanca ou sistema giratório, também apresenta utilidade no posicionamento adequado. 

Além disso, a posição da cabeça do paciente é um detalhe do exame que não pode ser negligenciado. Existe uma regra básica: queixo do paciente encostado no copo, e testa encostada na cinta superior (“queixo embaixo, testa na frente”). Esta parte da lâmpada que comporta a cabeça do paciente apresenta ainda, em sua porção lateral, marcações que devem ser alinhadas à fissura interpalpebral do paciente. Isso é fundamental para termos boa amplitude na variação da posição vertical do aparelho (eixo y), regulada a partir da rotação do joystick da mesa sobre seu próprio eixo. De fato, ao modificarmos a altura do sistema, conseguimos examinar com tranquilidade não só a superfície ocular, como também os anexos (pálpebras, cílios e região periorbitária), assim como realizar uma boa biomicroscopia de fundo e aferir a PIO sem dificuldades.

Próximo passo do exame: verificar se a dioptria das lentes oculares estão de acordo com a dioptria do examinador. Este passo é importante para otimizarmos nossa estereopsia e visualizarmos de maneira mais detalhada a estrutura ocular que estamos examinando. Em seguida, podemos ligar o sistema de iluminação para direcionar o feixe de luz condensada, seja sob a forma difusa (usada em geral no início do exame para termos uma ideia geral da superfície ocular, assim como avaliar cílios e pálpebras), seja na forma de fenda (para melhor estudarmos detalhes do tecido corneano, da câmara anterior, do cristalino, do vítreo anterior e do fundo de olho). A largura do feixe de luz é ajustável por um parafuso específico situado na lateral inferior do sistema de iluminação, e desse modo optamos pela iluminação difusa ou focal em fenda (paralelepípedo ou corte óptico). Já a altura do feixe pode ser regulada girando-se a chamada haste para controle da rotação e altura da fenda e para interposição do filtro azul entorno de seu próprio eixo. Próximo a esta, na parte superior do sistema de iluminação, podemos escolher entre os diversos filtros, variando a posição da haste do comando de filtros. Utilize o filtro cinza (filtro de luz) ou o filtro de absorção de calor para diminuir o desconforto do seu paciente, caso ele se queixe de fotofobia ou não consiga colaborar com o exame por mecanismo reflexo de fechamento palpebral. Lançamos mão da luz azul de cobalto após instilar solução de fluoresceína sódica 1% no(s) olho(s) examinado(s), seja para avaliarmos a PIO através do tonômetro de Goldmann (aplanação), seja para estudarmos a qualidade do filme lacrimal ou avaliarmos a integridade do tecido corneano. Já a luz verde aneritra é bastante útil na avaliação de estruturas do fundo de olho como o nervo óptico e sua escavação, os vasos retinianos e a camada de fibras nervosas peripapilar. 

Finalmente, estruturas do segmento posterior como a retina e o nervo óptico também devem ser examinados durante exame biomicroscópico, etapa esta que denominamos biomicroscopia de fundo. Para tal, entre os sistemas de iluminação e magnificação acoplados, e o objeto visualizado (olho do paciente), interpomos uma lente acessória pré-corneana cujo poder dióptrico pode variar entre +60D e +90D. Desta forma, geram-se imagens reais e invertidas das estruturas observadas, porém com boa resolução e estereopsia, possibilitando ao examinador estuda-las de forma detalhada.

Esse é o princípio básico da composição e funcionamento da lâmpada de fenda, instrumento essencial para um exame oftalmológico completo. Esperamos que este texto lhe tenha sido útil. Se tiver comentários ou sugestões, não hesite em nos contactar. 

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.